Qualquer um pode ser Milionário

Existem 59,4 milhões de milionários no mundo, dos quais 167 mil em Portugal.

  • O caro leitor pertence a este “clube dos milionários”?

Ótimo para si!

A segurança que sente, a liberdade de que desfruta e a capacidade que tem para ajudar o próximo contribuem para a sua felicidade.

  • O caro leitor (ainda) não é milionário?

Isso é o mais normal.

Mas quer ser?

Se não quer pode parar já aqui de ler esta carta.

A minha missão na vida é ajudar mais portugueses a saírem da mediania e tornarem-se milionários. Mas só aqueles que querem!

Os que preferem ficar na mesma – o que é perfeitamente legítimo – que fiquem. Não há qualquer problema.

Mas se você tem orgulho naquilo que faz, se procura ir melhorando a cada dia que passa, se tem disciplina interna, se assume a responsabilidade pelas suas condições de vida e se ambiciona algo mais…

…então o mais provável é que tenha uma mentalidade de crescimento!

Nesse caso leia esta carta até à última palavra!

O meu nome é César Borja, sou licenciado em Economia pelo ISEG, passei no exame de nível I do CFA Institute, fui um Commodity Trading Advisor registado na National Futures Association em Chicago e sou um Certified European Financial Analyst (CEFA).

Tenho 47 anos e sou casado com a Catarina Borja. Temos 4 filhos.  

Todos os anos convidamos a família toda – avós, tios, primas, amigos, etc – para uma semana de férias na Albufeira de Castelo do Bode.

23_8_29_26
A minha filha Leonor a apreciar a paisagem

Este ano o meu cunhado Miguel veio mais tarde porque teve de trabalhar. Chegou às duas da manhã e no dia seguinte foi a Tomar buscar uma colega de trabalho, a Ana.

Ainda não estavam aqueles dias de calor muito intenso – acima dos 40º – por isso fomos todos, como é hábito, para as “ilhas”.

Tive de fazer umas três viagens de barco (uma das certificações que me tem dado mais prazer é mesmo a carta de marinheiro!), mas finalmente estávamos todos numa praia só para nós, que ocupámos por completo com umas 15 toalhas.

Pus a Ella Fitzgerald a cantar “I’m in heaven” na coluna JBL.

A atmosfera era perfeita… estávamos realmente no paraíso! 💕

Até que começou um ruído de fundo…

O Miguel e a Ana falavam incessantemente das suas condições de trabalho, de que ganhavam pouco, que assim não dava para viver, etc.

Eu enfim, até estava moderadamente interessado na conversa, mas quando começaram com os sindicatos e as greves, mergulhei para fazer um bocado de snorkeling, uma das atividades mais relaxantes que conheço.

Mas a Catarina não me acompanhou… juntou-se à conversa!

Afinal o Miguel é o seu único irmão e 7 anos mais novo, por isso ela sente alguma (bastante) responsabilidade por ele. Procura sempre ajudar naquilo que pode.

Todo o dia naquele rame-rame… que a empresa isto, a empresa aquilo, que devia aumentar mais, que os preços subiram todos, que assim não dá…

E continuou quando voltámos para casa… eles simplesmente não estavam a aproveitar as férias porque não conseguiam desligar-se da sua situação financeira.

Nunca quiseram ligar a questões de dinheiro – só queriam ser bon vivants – mas depois essas questões apareciam para os atormentar precisamente nos momentos em que as condições eram mais propícias para aproveitar a vida!

A situação foi crescendo e sugou mais pessoas.

O meu sogro Carlos – que em tempos idos também teve a sua costela de sindicalista – dizia que a empresa nunca iria dar o aumento pretendido, que o sindicato devia aceitar a proposta inferior.

O Miguel dizia que o pessoal estava desmoralizado… e que se não fosse uma grande multinacional a empresa já estaria a passar dificuldades.

Com o vinho a discussão foi aquecendo até que atingiu um clímax quando a Catarina se levantou e disse:

Fogo Miguel !!

Pára de te queixar! O que é que vais fazer para mudar a situação!?

Vem comigo… vamos ter uma conversa privada!

Em primeiro lugar, tendo em conta que o teu ordenado é o de um português médio, um aumento de 5 ou 10% não vai mudar nada. Por isso toda esta conversa do sindicato e do aumento de X ou Y é fútil e inútil.

Com um rendimento desses não é possível – a não ser com doses inimagináveis e indesejáveis de sacrifício – sair da cepa torta. Esse rendimento só vai dando, e mal, para ir pagando as contas.

Precisas de um salto quântico no teu rendimento para pelo menos 2500 € por mês. Isto pode ser obtido de várias formas:

O Miguel começou a pensar naquilo que poderia fazer, que serviços úteis poderia prestar, para aumentar o seu rendimento. Em conjunto com a sua irmã foi congeminando ideias, analisando os prós e contras de cada potencial iniciativa.

No fundo o Miguel deixou de esperar que fizessem algo por ele e começou a pensar no que ele próprio poderia fazer para mudar de vida.

E o Universo estava a ver…

Eu não sou uma pessoa religiosa, mas acredito que exista algum poder cósmico, porque já não é a primeira vez que me acontece ou vejo acontecer uma destas.

Chegou um e-mail.

Era da empresa.

A tal cuja proposta de aumento não satisfazia.

A transferência que o Miguel tinha pedido há mais de um ano – para a Suíça – foi aceite!

Exatamente nas mesmas funções, o seu ordenado seria o quádruplo! 🤩

Mas tinha de aceitar a transferência até ao final do mês, se não a oportunidade iria para outro.

Problema resolvido, certo?

Não! O problema apenas se transformou…

É que o Miguel não queria lá assim muito ir para a Suíça, porque já por diversas vezes tinha vivido no estrangeiro (Madrid, Marselha, Turim e Creta) e para além de se ter sentido sozinho e infeliz, a sua situação financeira não melhorou.

Sim, ganhava mais, mas também gastava mais e ficava na mesma…

Independentemente do que ganhava, o Miguel não tinha grande incentivo em poupar porque o capital acumulado não fazia nada por ele.

E isso é que estava errado!

O dinheiro também tem de trabalhar. Não pode estar ali parado sem fazer nada.

É a combinação dos dois fatores de produção, trabalho + capital, que faz maravilhas.

Eu e a Catarina temos sempre presente uma tabela de retorno do capital em termos de longo prazo.

Ela disse-lhe assim:

Vamos ao meu computador, vou mostrar-te os meus números e vamos adaptá-los ao teu caso.

O Miguel disse que mudando para a Suíça já não iria usar o carro, pelo que iria vendê-lo, o que lhe daria os 10 000 € de capital inicial.

Esse capital inicial não é relevante para o capital final.

Depois a Catarina disse-lhe que ele devia retirar logo à cabeça 1/3 do ordenado para pôr numa conta de investimento (isso seriam 1500 € por mês). O segundo terço seria para as necessidades básicas. E o terceiro terço para as coisas que ele queria.

Claro que a situação do Miguel é especial porque ele é solteiro, sem filhos.

Cada caso é um caso e o leitor terá o seu, pelo que pode facilmente construir aquela folha de excel adaptada ao seu caso.

O que espantou e entusiasmou muito o Miguel foi que passados apenas 12 anos de investimento ele poderia começar a retirar 36 000 € por ano, ou 3000 € por mês, e MESMO ASSIM O CAPITAL CONTINUAVA A CRESCER!

Ele perguntou se isto era mesmo possível!?

A Catarina disse que é possível, mas que é preciso  investir de forma sistemática em ações, que são ativos com risco que representam a propriedade de empresas.

Que o índice S&P500 nos últimos 40 anos valorizou à taxa média anual de 8,6%…

O Miguel respondeu logo que 8,6% não são 12%, o que é verdade!

Efetivamente existe uma enorme diferença entre os dois números, muito mais do que parece.

A Catarina disse que os dividendos que muitas empresas pagam de forma recorrente acrescentam uns pozinhos, mas que realmente para almejar obter um retorno médio anual de 12% ou até ligeiramente superior será necessário fazer algo mais.

Algo melhor!

É que o S&P500 traduz a evolução média das cotações das 500 maiores empresas cotadas nos Estados Unidos.

E agora voltamos ao início, à dedicação e orgulho num trabalho bem feito. À mentalidade de crescimento. À necessidade visceral de procurar fazer mais e melhor. De fazer melhor do que a média.

Porque se o objetivo é fazer o mesmo que a média, se a ideia é ser médio, novamente, pode parar aqui de ler esta carta.

Para obter resultados médios bastará ir comprando Exchange Traded Funds do S&P500, por exemplo o SPY.

E isso será muitíssimo melhor do que nada!

Mas está a ver aqueles atletas dos Jogos Olímpicos, que treinam intensamente, praticamente todos os dias, para melhorar uns segundos ou mesmo centésimos de segundo no seu desempenho? Ou uns centímetros?

Porque é que fazem isso?

Primeiro porque é esse esforço que os leva aos Jogos. Depois porque são esses pequenos ganhos que poderão levá-los às medalhas. E finalmente ao Ouro 🏅

Para os investidores em ações é a mesma coisa. São uns pontinhos extra de retorno médio anual que fazem uma enorme diferença e que levam ao crescimento mais acelerado e a um capital incomparavelmente superior!

E como é que se pode ser um investidor acima da média?

Tendo mais conhecimento do que a média e aplicando esse conhecimento a ações concretas. Fazendo uma seleção de ações e tomando decisões de qualidade superior à média.

Novamente, o Miguel é um privilegiado porque tem um cunhado que estuda o mercado de ações há 27 anos e uma irmã que, baseada nas recomendações do seu marido, vai gerir a sua conta de investimento.

O caro leitor não me tem como cunhado.

Mas pode ter algo ainda melhor, que será mais adaptável ao seu caso concreto e lhe dará uma independência e liberdade total: pode aprender, em apenas um mês e meio, muito do que sei sobre o mercado de ações.

Apresento-lhe o Curso de Ações

Apresento-lhe o Curso de Ações

O Curso de Ações é constituído por mais de 120 vídeos animados e acompanhados por quizzes de escolha múltipla, de forma a que possa ir assimilando e testando os seus conhecimentos.

Também terá 14 zoom calls gravadas comigo e com os alunos da última eição ao vivo.

Todo o conteúdo do Curso de Ações ficará disponível para os alunos durante muitos anos.

O Programa do Curso de Ações é o seguinte:

MÓDULO 1 - Introdução

Aula 1: Preço

Aula 2: Tendências

Aula 3: Múltiplos

Aula 4: Margens

Aula 5: Balanço

Aula 6: Plays

MÓDULO 2 - Psicologia do Investidor

Aula 1: Vantagens de Investir em Ações

Aula 2: Financiamento

Aula 3: Mentalidade de Longo Prazo

Aula 4: Opinião própria

Aula 5: Flexibilidade e Objetividade

Aula 6: Foco em 200 ações

Aula 7: Coragem e Indiferença

Aula 8: Compreensão e Aceitação do Risco

Aula 9: Não impor limites ao Crescimento

Aula 10: Oportunidades perdidas

MÓDULO 3 - Controlo do Risco

Aula 1: Evitar produtos financeiros exóticos

Aula 2: Evitar alavancagem

Aula 3: Escolha de ações fundamentalmente ativas

Aula 4: Diversificação por várias ações

Aula 5: Diversificação por setores

Aula 6: Diversificação por países

Aula 7: Diversificação por tipos de plays

Aula 8: Diversificação por dimensão das empresas

Aula 9: Alocação do capital em partes iguais

Aula 10: Assumpção de perdas quando existe uma deterioração

MÓDULO 4 - Setores e Indústrias

Aula 1: Setores e Indústrias

Aula 2: Consumo

Aula 3: Consumo Básico

Aula 4: Energia

Aula 5: Financeiro

Aula 6: Saúde

Aula 7: Industrial

Aula 8: Tecnologias da Informação

Aula 9: Materiais

Aula 10: Serviços de Telecomunicações

Aula 11: Utilities

Aula 12: Imobiliário

MÓDULO 5 - Empresas

Aula 1: Não há duas empresas iguais

Aula 2: A História

Aula 3: Produtos, Serviços e Segmentos

Aula 4: A Capacidade Produtiva

Aula 5: A Distribuição Geográfica das Vendas

Aula 6: Dois Concorrentes

Aula 7: Barreiras à Entrada

Aula 8: Estrutura Acionista

Aula 9: Equipa de Gestão

Aula 10: Missão, Valores e Estratégia

MÓDULO 6 - História - Parte I

Aula 1: Quanto mais história melhor

Aula 2: Como obter dados?

Aula 3: Gráfico de longo prazo

Aula 4: Calcular a taxa média anual de retorno

Aula 5: Dividendos

Aula 6: Evolução do n.º de Ações emitidas por uma empresa

Aula 7: Fatores que podem levar ao aumento no n.º de ações emitidas

Aula 8: Fatores que podem levar à diminuição do n.º de ações emitidas

Aula 9: Formas de obter o número de ações emitidas

Aula 10: N.º de ações básico e diluído

Aula 11: Ações ordinárias e Ações preferenciais

Aula 12: Valor de mercado ao longo dos anos

Aula 13: Vendas anuais

Aula 14: Múltiplo das vendas

Aula 15: EBITDA e EBIT

Aula 16: Múltiplos do EBITDA

Aula 17: Margem EBITDA e EBIT

MÓDULO 7 - História - Parte II

Aula 1: Resultado Antes de Impostos e Resultado Líquido

Aula 2: Margem Líquida

Aula 3: Múltiplo do Lucro

Aula 4: Outra forma de calcular o PER

Aula 5: Fluxos de caixa (Cash flows)

Aula 6: Evolução do capital próprio

Aula 7: Price to Book Value

Aula 8: Return on equity operacional e líquido

Aula 9: Rácio de liquidez geral

Aula 10: Rácio de Liquidez Reduzida e Rácio de Liquidez Imediata

Aula 11: Net debt to EBITDA

Aula 12: Cobertura dos custos financeiros

Aula 13: Rácio de solvabilidade

Aula 14: Lista de dados necessários

Aula 15: Base de Dados Financeiros das Empresas da Euronext Lisboa

MÓDULO 8 - Análise Técnica
MÓDULO 9 - Quando comprar?

Aula 1: Quando comprar quando a visão de futuro é uma extrapolação do passado?

Aula 2: Quando comprar quando a visão de futuro é uma evolução do passado?

Aula 3: Quando comprar quando a visão de futuro é uma rutura com o passado?

Aula 4: Construir a história de investimento

Aula 5: Fazer uma previsão numérica

Aula 6: Calcular o PAQVH

Aula 7: Comparar a previsão com a situação atual

Aula 8: Calcular a taxa média anual de retorno prevista

Aula 9: Definir o nível de risco

Aula 10: Tomada de decisão

MÓDULO 10 - Quando vender?

Aula 1: Micro versus Macro

Aula 2: Stock Picking em vez de Market Timing

Aula 3: Vender quando a ação atinge o PAQVH

Aula 4: Vender quando a visão de futuro se concretiza

Aula 5: Vender quando a história de investimento deixa de ser válida

MÓDULO 11 - Método de acompanhamento

Aula 1: Acompanhamento de Comunicados Oficiais

Aula 2: Acompanhamento de Resultados

Aula 3: Acompanhamento de Notícias

Aula 4: Acompanhamento de análises

Aula 5: Acompanhamento de estimativas

Aula 6: Ignorar as cotações

Aula 7: Ignorar a Análise Técnica

Aula 8: Ignorar as “dicas” de Bolsa

Aula 9: Ignorar o “sentimento” de mercado

Aula 10: Ignorar o preço de compra

Aula 11: Acompanhar a empresa no terreno

Aula 12: Visitar a empresa

MÓDULO 12 - Teste Final

Aula 1: Instruções

Aula 2: Teste 50 perguntas

DIPLOMA

MÓDULO 13 - Produzir uma Análise
MÓDULO 14 - Entrega Certificados e Emblemas de Conclusão

Quando vai ter início?

O Curso de Ações tem início a partir do momento da sua inscrição.

O que dizem os nossos antigos alunos

MA Manuel Araújo

5/5

O curso foi uma preciosidade, sobretudo pela quantidade de conhecimento que transmite de uma forma absolutamente descomplicada, mesmo até para aqueles que não gostam muito dos números. 
O César e a sua equipa estão de parabéns!

AM André Marques

5/5

Venho aqui dar-lhe os parabéns pelo excelente trabalho que fez no curso de ações, resolvi adquirir este curso para eventualmente um dia ter (ou não) que navegar sozinho neste mar agitado que é o mercado de ações. Os meus parabéns pelo muito bom trabalho. César. Mesmo.

AP André Paiva

5/5

O César Borja tem uma missão nobre de melhorar a literacia financeira dos portugueses. Este Curso de Ações deu-me ferramentas mais valiosas e úteis do que o mestrado em economia financeira. Permitiu-me começar a investir em ações com confiança pois finalmente compreendia o que estava a fazer e conhecia as empresas através da análise fundamental e dos seus méritos intrínsecos.

Para quem é este curso?

Para todos os que têm capacidade para poupar.

Que têm uma tolerância ao risco suficiente para suportar a volatilidade das ações.

E que desejam que o seu capital lhes forneça uma taxa de retorno acima da média. 

Perguntas frequentes

Sou inexperiente no mercado de ações. O curso é adequado para mim?

Sim, mais do que adequado, o curso é recomendado para investidores iniciantes! As explicações são simples e a linguagem usada pelo instrutor é corrente. A matemática necessária para analisar ações aprende-se até ao 6º ano de escolaridade. Não é preciso mais do que isso.

Posso ir fazendo o curso ao meu ritmo?

O Curso de Ações é constituído por 14 módulos, num total de cerca de 130 vídeos curtos pré-gravados e acompanhados por quizzes de perguntas de escolha múltipla.

Os módulos serão disponibilizados com uma cadência de 2 por semana, um à segunda-feira e outro à quinta-feira.

Cada módulo será complementado por uma Zoom Call ao vivo, às segundas e quintas, das 19 às 20 horas, quando discutiremos o módulo anterior. Esta Zoom Call será gravada, de forma que os alunos que não possam assistir em direto tenham a oportunidade de ver em diferido.

Como será tudo gravado, cada aluno poderá ir acompanhando ao seu ritmo.

O Curso fica disponível depois de terminar?

O Curso de Ações decorrerá entre 2 de outubro e 16 de novembro de 2023, mas os materiais ficarão disponíveis online para os alunos durante muito tempo (anos) após o seu término.

Vai haver interação com o instrutor ou são só uns vídeos pré-gravados?

As 14 Zoom Calls em direto garantirão cerca de 14 horas de interação, onde cada aluno terá a oportunidade de colocar as questões que entender.

Também estaremos disponíveis para responder a qualquer questão por e-mail.

O Curso de Ações dá algum diploma ou certificado?

Sim, quem tiver mais de 70% no Teste Final e fizer uma Análise Fundamental completa a uma ação (que pode ser escolhida por si), receberá um Diploma muito bonito para emoldurar.

Não é um Diploma "oficial", mas valerá mais que muitos desses!

Se o César Borja percebe assim tanto de ações, porque é que precisa de vender Cursos?

Boa pergunta!

Em primeiro lugar eu não preciso, mas quero vender e lecionar Cursos de Ações!

Podia agora estar com floreados e dizer que estou a cumprir a minha missão, contribuindo para a literacia financeira dos portugueses, o que é verdade, mas vou ser mais direto do que isso.

Eu comecei a investir em ações em 1998 com muito pouco, somente 525 €, que juntei a lavar balneários à noite. E durante muitos anos tive de retirar dinheiro dos meus investimentos para ajudar a sustentar a Família, mulher e quatro filhos. E por mais que ganhasse, pouco ou nada avançava... quando se investe com 50 000 €, se tiver um ano de 25% de retorno (o que é excelente!), só se ganha 12 500 €, o que mal dá para viver, mas o pior é que se volta ao mesmo sítio!

Em 2015 comecei com o Borja on Stocks, em 2018 com o Curso de Ações e em 2021 iniciámos o Investidor Prudente e desde então, felizmente, não precisei de retirar capital dos investimentos. Finalmente o bolo está a crescer sem que precisemos de lhe retirar grandes fatias!

Utilizei o conhecimento que fui acumulando ao longo dos anos para criar serviços verdadeiramente úteis para que outros investidores particulares como eu encurtem a sua curva de aprendizagem.

Como diz um amigo meu, é win, win!

Qual é o valor do Curso de Ações?

valor é o que se recebe, e esse é imenso, incalculável mesmo. Afinal, quanto é que vale ser um investidor em ações bem-sucedido, ao longo de uma longa carreira?

Vale muito!

preço é o que se paga.

Por tempo limitado temos um preço de lançamento de apenas 394 €, sendo que 197 € são pagos no ato da inscrição e os outros 197 € até ao início do Curso de Ações a 2 de outubro.

Invista na sua educação financeira

Com Portugal na cauda da Europa em literacia financeira, este curso é um investimento na sua educação.

O valor do curso fica consigo para sempre e ajudará o seu dinheiro a valorizar por muito tempo.

Curso completo de ações

700€ -» 297 €*

(IVA incluído)

Inscreva-se agora e poupe 403 €, antes da subida de preço.

Sem risco

Se após a realização dos dois primeiros módulos vir que o Curso não é para si, devolvemos o seu investimento.

Scroll to Top